segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Saudade: de onde vem? Dor: para onde vai?

Sabe-se lá quando eu identifiquei de verdade o que a dor me proporcionava, em qual auge da minha existência eu comecei a senti-lá, porque raios eu não podia diminuir a sensação de peito quebrado ou pior ainda: mandar esse sentimento, que me rasgava a alma, embora. Entendi que o lugar, momento ou situação são meros detalhes, você ainda sente tudo como se fosse a primeira vez. A dor  está lá quase que protagonista, insistindo para ser notada, sendo uma bailarina sozinha no palco de um teatro em seu dia mais lotado, ah se eu não fosse insistente, a dor já teria dançado metodicamente sua dança mais precisa no palco do meu coração, mas deixo esse papel para  a saudade:
Todo dia de manhã não me incomodo em ler qualquer texto autoajuda para saber lidar com esse sentimento significante, mas como pode alguém escrever sobre superar a saudade? Superar (matar) todos os momentos vividos e registrados na cabeça e no coração, por uma situação interna e confusa cheia de defeituosos neurônios humanos? Só o mais saudável dos seres, antes de esquecer ou "deixar pra lá" prefere não ariscar a guardar lembranças. E  quase assim eu me esqueço da relação  perfeita que o universo nos trás, em que tanto pra fazer e pensar, nos tornamos alvo fácil para sentimentos que nos diminuem para que num dado momento da vida (como se fosse um mágica) ele servirá de professor com ensinamentos positivos de como as situações podem ser contornadas com sucesso.
E é quase na hora de dormir que começo a conversar com várias das minhas saudades. Mas a estranha sensação de sentir saudade do ontem é a pior de todas: A recordação ainda está quente, pelando, borbulhando, fervendo sua cabeça com vários filmes do que foi e do que é e do que poderia ser. Da entrega, sacrifício, amor, paciência, comunhão, votos, casamento (até), filhos e um passeio de domingo na praia.
Somos nós os errantes da estrada. Se pararmos na pista, os sentimentos atropelam nossos espíritos e nesse atropelamento vamos nos  sentir como um vazio propício a ser somente vazio. O vazio mais profundo e enorme já sentido, o disfarce mais fajuto feito por um homem, feito por você para você.
A grande recompensa eu ainda não vivi para contar/escrever. Talvez seja só uma mente atribulada com Alzheimer  (castigo devido minha insistência sobre eu não querer sentir dor e saudade.)



terça-feira, 5 de abril de 2016

Um Recado do Coração

Todos poemas de amor, calçam o mesmo número de sapato
Todo amor declarado corre o risco do exagerado
Toda familiaridade com a dor do desespero é faminta por mais
Toda manhã, acorde e entristeça-se por não amar-se por inteiro
Voltando ao poema que, exagerado e faminto por dor,  me entristece, mas não hoje e sim por um resto inteiro.

sábado, 15 de agosto de 2015

Chorando no Campo - Lobão

A chuva cai chorando
E o meu amor vai e vem
No céu, no chão
A rede vai e vai levando...

A noite além da noite
Me faz lembrar o que eu não vivi
Toda essa história esse segredo
Memórias num vendaval...

Pela estrada enquanto eu passo
O cinema é só ilusão
Vou chorando pelo campo
No meio do temporal...

A chuva dá saudades
De um lugar que eu nunca fui
E o vento vai soprando
Um choro tão, distante