quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Tempo pequeno, para ser verdade: A minha saudade.



Que não tem nome, nem memória.
Se vê tão sozinha, e rodeada de lembranças.
Cria e se desenvolve em um palco de falsos amores
Cai e levanta em tropeços de amizades
Foge e longe se vê bem distante, e se faz presente.
Delirá de vontade de não existir; morre entre lágrimas e um recomeço de uma futura outra saudade.
Se insinua a mais provocante, se veste como a mais bela, e volta aos seus Aposentos, sendo lá, a Rainha de seus desejos.

4 comentários:

  1. Bela colocação do seu sentimento. Ótimo com as palavras. Parabéns Jéferson!

    ResponderExcluir
  2. Woww, esse texto foi tão eu. ótimo!

    ResponderExcluir
  3. Em belas palavras, sentimento puro!

    ResponderExcluir